27.9.04

A MUDANÇA POLÍTICA NECESSÁRIA

De acordo com o recém-eleito secretário-geral do Partido Socialista, José Sócrates, a mudança política em Portugal começou no sábado. Com a sua eleição. Esmagadora. Agora é bom que acabem as brincadeiras dos jogos florais que caracterizaram a campanha à liderança e, unidos, os socialistas elejam o triste e caricato Governo que temos (patrocinado pelo Presidente Sampaio, fantasma político que vagueia pelos corredores do Palácio de Belém, e que às vezes parece ser visto com toucas e batas em digressões pelo país irreal), como o adversário que é preciso enfrentar e bater. Pelo PS mas sobretudo pelos portugueses. A obrigação do principal partido da oposição é preparar a benzina para que os eleitores já no próximo ano a apliquem na nódoa.
Eu, que andava arredado destas coisas, senti a obrigação de voltar (apesar de pouco esperançado na forma de trabalho político actual no PS...) à minha militância político-partidária socialista. A começar já pelo próximo Congresso em Guimarães para o qual fui eleito em Setúbal, a minha Secção. E que já representei aquando do 1º Congresso do PS na legalidade, em Dezembro de 1974. Afinal são já 30 anos. Uma vida.

“Cafeína”

Fui fazer um samba lento
na calçada de Copacabana
abençoada pelas palmeiras
beijada pelo mar.
Foi um samba dessedado
das águas de coco fresco (bem)
acalentado de caldo de feijão
abafado pelo olhar dos pivetes.
Fui fazer o samba justo
na injustiça dos cacetes
onde a vida cheira mal
e a comida sabe bem.
Esse samba é assim
tão lento
que o lamento é
já um dançar.

Francesco Giugliano
Rio de Janeiro, 16.12.’03


16.9.04

A MEMÓRIA CONTRA O ESQUECIMENTO Posted by Hello

Eça de Queirós, sempre actual

"Este governo não cairá porque não é um edifício, sairá com benzina porque é uma nódoa."
(Eça de Queiroz)

9.9.04

(...)

Aqui, onde o sol bate e
o vendaval chora
andei em todas as calçadas
agradecendo a Deus;
muito embora
eu acredite na vida e
não na morte.

Francesco Giugliano
Rio de Janeiro, 9.12.’03


6.9.04

Boa noite

Boa noite. Chegar a esta hora com um cansaço imenso e desejar uma boa noite aos amigos é um gesto tão simples quanto irrelevante. Para uns não são ainda horas, para outros já não são horas e outros há que nunca dele saberão. Não é mais do que isto: o formular um desejo de uma boa noite. Amanhã é outro dia.

5.9.04

Festa das Vindimas - Palmela

Palmela é uma vila muito bonita, perto de Setúbal. Com o seu castelo altaneiro, de onde se contempla a linda cidade do Sado, o casario desenvolve-se por ruas estreitas e íngremes. Tem também uma igreja de rara beleza. Tem inclusivamente duas sociedades filarmónicas (mas harmonia não é a palavra adequada para descrever as relações entre ambas dada a grande rivalidade existente, vá-se lá saber porquê), "Os Loureiros" e "Os Caceteiros". Os seus habitantes, os palmelões, têm uma tradição, diária, que é a de se cruzarem praticamente todos e estarem a par das últimas da terra e das suas gentes. Para variar, mas em cumprimento da tradição anual realizam umas festas, a pretexto das vindimas, para se cruzarem praticamente todos e estarem a par das últimas da terra e das suas gentes. Eu gosto de Palmela e das suas tradições.


Sexo na cabeça

"Você tem sexo na cabeça, rapaz.
E aí, definitivamente, não é o lugar dele."
Mae West

4.9.04

Definições

Definições
Uma pessoa é uma coisa muito complicada. Mais complicado do que uma pessoa, só duas. Três, então, é um caos, quando não é um drama passional. Mas as pessoas só se definem no seu relacionamento com as outras. Ninguém é o que pensa que é, muito menos o que diz que é. Precisamos da complicação para nos definir. Ou seja: ninguém é nada sozinho, somos o nosso comportamento com o outro. Principalmente com aquela versão extrema do outro que é o outro de outro sexo.
Segundo uma pesquisa recente, as pessoas se dividem em seis tipos básicos, de acordo com seu comportamento com o (e como) sexo oposto. Se você não se enquadrar em nenhuma destas categorias, procure orientação. Você pode estar no planeta errado.
O primeiro tipo é o Simbiótico. É o que, numa relação, exige e cede mais ou menos na mesma proporção. Avança e recua, morde e sopra, questiona e entende, e aceita qualquer coisa para evitar o rompimento, com a possível exceção da frigideira na cabeça. Vê o amor um pouco como um cargo público em que o principal é a estabilidade. Algo inseguro, precisa ouvir constantemente que a relação está firme, muitas vezes acordando o (a) parceiro (a) no meio da noite para perguntar isso e precipitando o desentendimento. Frase característica: "Eu peço desculpa se você pedir."
Depois tem o tipo Civilizado. É o que se preocupa em ter um comportamento esclarecido em relação ao outro, respeitando a sua iniciativa própria e o seu espaço, e só reagindo em casos como o do aparecimento de uma terceira escova de dentes no banheiro sem uma explicação convincente. O par civilizado acredita que o amor deve refletir as conquistas da modernidade, como a tolerância, o respeito mútuo e, acima de tudo, contas separadas para o caso de algum litígio terminar em frigideira na cabeça e processo.
o tipo Egoísta. Como aquele marido que telefonou para a mulher para explicar seu súbito desaparecimento, dizendo que tinha dado um desfalque na firma e fugido para a Flórida com a dona Neide da Contabilidade e que os dois estavam naquele momento no Disneyworld e prestes a entrar na Montanha Mágica, e quando a mulher começou a chorar, disse: "O que é isso, sua boba? Não tem perigo nenhum." Mas este não é um exemplo típico. Geralmente o egoísmo, no amor, se manifesta em pequenas coisas como dizer, durante o ato sexual: "Você se importa de acabar sem mim? Amanhã tenho dentista às oito."
Uma versão atenuada do tipo Egoísta é o tipo Individualista. Este sempre deixa claro, ao começar uma relação, que não sacrificará sua individualidade pelo amor, e estabelece os limites de cada parceiro. A mulher sempre é mais vaga nas suas reivindicações de independência, protegendo seus interesses separados, seus momentos de recolhimento e reflexão ou uma vida social própria, enquanto o homem é mais específico, dizendo coisas como "se tocar no meu time de botão, apanha".
O tipo Controlado dá sempre razão ao outro, cuida do que diz, suprime sua agressividade e enfrenta qualquer problema de costas, recusando-se a vê-lo. Em suma, se controla. Frase característica: "Tudo bem." Prefere a mesmice a grandes rompantes românticos e encara com naturalidade qualquer manifestação do outro. Inclusive a frigideira na cabeça. Mas tem uma coisa: no dia em que explodir, derruba a casa junto.
O tipo Doador só tem uma preocupação: fazer tudo pelo outro, inclusive sacrifícios extravagantes como tirar a comida da própria boca, o que sempre causa embaraços em restaurantes. Sua maior felicidade é ser suficientemente desprendido e acumular créditos emocionais o bastante para um dia poder dizer para o outro a grande frase, para a qual ele vive: "Depois de tudo o que eu fiz por você!" O tipo Doador é, na verdade, o tipo Chantagista disfarçado.

Luis Fernando Verissimo, in "Sexo na cabeça"
(mantenho a versão original, em português com sotaque)

4 de Setembro no Borda D´Água

9º Mês, 30 dias. Durante este mês o dia diminui: em Lisboa 1 h. 12 m.; no Porto 1 h. 14 m.
Em Setembro planta, colhe, cava e ri / que os santos e o arcanjo S. Miguel velam por ti
4- Sábado; Stª Rosa de Viterbo, V.
Feiras: S. Luís (Odemira) (2 dias)
Tabela das enchentes e vazantes das marés: Preia-mar da manhã, 6 h 19 m; da tarde, 6 h 43 m
Baixa-mar da manhã, 00 h 31 m; da tarde, 1 h 55 m.
E por aí fora, passando pelas fases da lua, pelos feriados móveis, pela influência da lua na agricultura, etc, etc.
E também Astrologia, no caso sobre as pessoas nascidas sob a constelação da Virgem.
Finalizo dizendo que Setembro é o mês das vindimas e há que estrumar as terras...continuar a semear e a plantar o que pode ser consumido antes do Inverno. Na horta, entre outros, semear acelgas, agriões, alface, alho-porro, cebola, cenoura, chicória, favas, feijão, nabos, rabanetes, repolho, salsa, tomate ... e no jardim, semear amores-perfeitos, begónias, cravos, gipsófilas, margaridas, e as que florescerão na Primavera. Plantar jacintos e túlipas.
Insubstituivel.

2.9.04

O Verdadeiro Almanaque

Há leituras que não se devem dispensar. A do "Borda D´Água" é uma delas. A que horas é hoje o ocaso? Amanhã há feira de Carcavelos? Se eu soubesse o que devo plantar na floreira... e o santo do meu dia de nascimento é... Para tudo o "Borda D´Água" tem resposta. Acreditem. Hoje em dia as revistas del corazon, ou cor-de-rosa, podem estar muito na moda(tem a ver com a onda... tipo pulseira protectora do primeiro... mais ridículo só o lenço vermelho na cabeça), mas eu continuo fiel, ano após ano, ao velho "reportório útil a toda a gente", mas sempre actual, ao "verdadeiro almanaque", o "Borda D´Água"! E, para que saibam, já cá canta o de 2005. Vão por mim. Experimentem.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?